Content

Site do boletim do MST do Rio de Janeiro

Sem atendimento às suas reivindicações, operários do Comperj mantêm greve

terça-feira 8 Maio 2012 - Filed under Notícias do Rio

William Pedreira, da CUT

Trabalhadores parados em novembro de 2011. Foto: Rameson Moreira/Jornal O Itaboraí

Trabalhadores parados em novembro de 2011. Foto: Rameson Moreira/Jornal O Itaboraí

Nesta terça-feira (8), os operários do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), completam 29 dias de greve.

Com data-base em 1º de fevereiro, os trabalhadores apresentaram ainda em dezembro uma pauta de reivindicações que incluía aumento salarial de 12%, vale alimentação de R$ 300, folga de campo para aqueles residentes em outras regiões mais a garantia do não desconto dos dias parados.

Diante da indisposição do patronato em atender a proposta, os cerca de 15 mil trabalhadores do Complexo mantêm-se em estado de alerta e mobilização. Manoel Vaz, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Montagem, Manutenção e Mobiliário de São Gonçalo, Itaboraí e Região (Sinticom), revela que o impasse se dá em dois pontos: o índice de reajuste e a reposição dos dias parados.

“Reduzimos a pedida para 11,5% e aceitamos dividir os dias parados com desconto mais para frente, porém a cada dia que os empresários vão postergando as negociações vai ficando mais difícil. O sindicato patronal continua insistindo no desconto de oito dias da paralisação realizada em dezembro, sendo que esta greve foi provocada pela administração de um consórcio. É um fato inaceitável”, declara Manoel.

O dirigente espera uma posição das empreiteiras para poder levar uma nova proposta à assembleia que será realizada nesta quarta-feira (9). “Queremos fechar um acordo o mais rápido possível com o intuito de acabar com a greve”, afirmou.

A Petrobrás, que se orgulha do fato do Comperj ser um dos principais empreendimentos de sua história, faz corpo mole e em vez de colaborar com o processo, joga para o acirramento da greve. “A Petrobrás mantém-se passiva. Prova disso é que em vez de aplicar uma multa às empresas, estica o prazo para finalização da obra de 2013 para 2014. Depois que houve a mudança na diretoria de abastecimento não nos chamaram mais para conversar. Também não queremos reuniões apenas para tomar café e jogar conversa fora, precisamos de atitudes que colaborem para o fim da greve”, cobra o dirigente.

Tagged: » »

2012-05-08  »  alantygel

Talkback

  1. Boletim36 | Boletim do MST Rio
    9 Maio 2012 @ 15:18

    […] Sem atendimento às suas reivindicações, operários do Comperj mantêm greve […]

Share your thoughts

Re: Sem atendimento às suas reivindicações, operários do Comperj mantêm greve







Tags you can use (optional):
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>