Content

Site do boletim do MST do Rio de Janeiro

[VÍDEO] 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes

quarta-feira 23 dezembro 2020 - Filed under Feira estadual Cícero Guedes + Notícias do MST Rio

Confira o balanço da 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes realizada nos dias 4 a 12 de dezembro.

A Feira Estadual é realizada de forma independente pelo MST no Rio de Janeiro. Por causa da pandemia, a Feira assumiu um novo formato itinerante em todas as regiões do estado com entrega de Cestas da Reforma Agrária e ações de solidariedade.

Contribua na conta corrente da Escola Estadual de Formação e Capacitação à Reforma Agrária (ESESF) Banco do Brasil: Agência 3086-4 / Conta 27970-6 (CNPJ 08.087.241/0001-2)

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-23  ::  Clivia Mesquita

Nota do MST em solidariedade à deputada Renata Souza

segunda-feira 21 dezembro 2020 - Filed under Notícias do MST Rio

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, deputada Renata Souza vem sofrendo ameaças de morte (Foto: Thiago Lontra/Alerj)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra vem a público se solidarizar com a companheira e Deputada, Renata Souza, que vem sofrendo ameaças de morte nas redes sociais.

Consideramos inaceitável que esse tipo de intimidação e ameaça continue acontecendo principalmente a mulheres e negras que se dispõe a construir a política nos espaços institucionais. É a própria democracia que está sendo ameaçada. E é preciso que tais práticas sejam investigadas e abolidas do nosso cenário político. Não podemos tolerar que os discursos de ódio permaneçam silenciando aqueles que querem construir uma sociedade mais justa e fraterna!

A política não pode ser escrita por grupos que se utilizam da esfera parlamentar para manter sua dominação territorial, buscando eliminar seus oponentes. Não podemos mais tolerar que grupos de milicianos sejam vistos como heróis, quando na verdade estamos diante do avanço desse setor na esfera estatal, destruindo as instituições democráticas de nosso país.

É preciso que os órgãos de segurança sejam responsáveis e apurem com rapidez e veemência essa tentativa de calar aquelas que ousam lutar contra uma estrutura que sedimentou ao longo do processo histórico uma branquitude masculina.

Não aceitaremos mais nenhuma tentativa de nos calar, não toleraremos mais nenhum ataque à democracia e aos defensores e defensoras dos direitos humanos em nosso país.

Todo nosso apoio à Deputada Renata Souza, hoje e sempre!

21 de dezembro de 2020.
MST Rio de Janeiro

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-21  ::  Clivia Mesquita

Ação de solidariedade do MST na Aldeia Mata Verde, em Maricá (RJ)

sexta-feira 18 dezembro 2020 - Filed under Feira estadual Cícero Guedes + Solidariedade

As ações de solidariedade do MST compartilham o que temos de melhor: o fruta da luta pela Reforma Agrária Popular. Campo e cidade tem direito à alimentação de qualidade e sem veneno. A 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes destinou mais de 300 Cestas da Reforma Agrária para comunidades, ocupações urbanas e aldeias indígenas durante os dias 4 a 12 de dezembro no Rio de Janeiro.

Confira como foi a ação na Aldeia Mata Verde (Tekoa Ka’Aguy Ovy Porã), em Maricá.

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-18  ::  Clivia Mesquita

Feira do MST entrega quase mil Cestas da Reforma Agrária no Rio de Janeiro

quinta-feira 17 dezembro 2020 - Filed under Feira estadual Cícero Guedes + Notícias do MST Rio + Solidariedade

Em novo formato, a Feira Estadual Cícero Guedes entregou 10 toneladas de alimentos. Mais de 300 Cestas foram destinadas para ações de solidariedade em comunidades, ocupações urbanas e aldeias indígenas. 

Coletivo de Comunicação MST-RJ

Formato itinerante da Feira levou a produção dos Assentamentos e Acampamentos do MST para todas as regiões do estado. (Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ)

A 12ª edição da Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes realizou um importante trabalho no Rio de Janeiro neste final de ano. Em meio a pandemia, enquanto a capital carioca amarga uma das piores taxas de mortalidade por Covid-19 do país, a Feira organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) destinou mais de 3 toneladas de alimentos para comunidades, ocupações urbanas e aldeias indígenas no estado. 

Em novo formato para evitar aglomerações, a Feira levou a produção dos Assentamentos e Acampamentos do MST para todas as regiões do estado. Com o mote “Reforma Agrária Popular para o Brasil não passar fome”, a Feira itinerante chegou a marca de 900 Cestas da Reforma Agrária comercializadas e entregues em ações de solidariedade na capital, em Niterói, Maricá, Macaé, Campo Grande, Campos dos Goytacazes, Volta Redonda, Resende, Barra Mansa e na Baixada Fluminense. 

Reinventar a tradicional Feira que acontece há dez anos no Largo da Carioca, no centro do Rio, foi um desafio imposto pela pandemia. Diante disso, o MST assumiu o compromisso de levar os alimentos oriundos da Reforma Agrária Popular para a sociedade com os cuidados necessários para evitar a contaminação pelo coronavírus. Ao todo, foram comercializadas mais de 500 Cestas composta por alimentos beneficiados, agroindustrializados e in-natura.

Para Luana Carvalho, da Direção Nacional do MST, a 12ª edição da Feira trouxe a experiência das grandes campanhas de solidariedade organizadas pelo Movimento ao longo do ano e o debate sobre direito à alimentação de qualidade.

“A Feira foi diferente e reflete a construção que o MST vem fazendo desde o início da pandemia, de pensar o direito à alimentação saudável para todos os trabalhadores, principalmente aqueles que se encontram em situação de maior vulnerabilidade. O direito à alimentação como um direito também à saúde e a possibilidade de passar melhor por essa pandemia”, afirma Luana.

As ações de solidariedade aconteceram em diversos municípios em parceria com Campanha Nós por Nós, Central de Movimentos Populares (CMP), Brigadas Populares, Associação de Docentes da Universidade do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (ADUENF), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Teia de Solidariedade, entre outras organizações e movimentos sociais. 

“Esse reinventar da Feira foi pensar não só como espaço de comercialização, divulgação dos produtos da Reforma Agrária e diálogo com a sociedade sobre quem produz alimentos saudáveis é a agricultura familiar e camponesa, mas também de pensar a Feira na dimensão da solidariedade”, completa a dirigente. 

A solidariedade marcou a Feira Estadual durante toda programação itinerante. Na Aldeia Mata Verde (Tekoa Ka’Aguy Ovy Porã), em Maricá, a ação forneceu mais de 300kg de alimentos da Reforma Agrária. “A comunidade vive de artesanato e tivemos que fechar as portas durante a pandemia. Não queremos pegar o vírus e contaminar nossos anciões que tem muita sabedoria pra passar. É muito importante a gente preservar nossa cultura”, comentou a jovem indígena Suzana Para’í, da etnia Guarani.

O circuito da Feira Cícero Guedes começou no Armazém do Campo RJ, na Lapa, nos dias 4 e 5 de dezembro, com entregas na capital, Niterói e Maricá. Nas regionais Norte Fluminense, Sul Fluminense, Lagos e Baixada, as entregas ocorreram nos dias 10 a 12/12.  

Financiamento coletivo

Campanha online recompensa apoiadores da Feira Estadual com desconto no Armazém do Campo RJ. (Arte: Comunicação MST-RJ)

Reconhecida como patrimônio sócio-cultural e imaterial do Rio de Janeiro pela Lei 5.999/2016 e inserida no calendário oficial da cidade no mês de dezembro, a Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes é realizada de forma independente pelo MST. Até este domingo (20), uma campanha de arrecadação online busca financiar o custo operacional da Feira e as ações de solidariedade. 

Toda contribuição participa do sorteio de uma Cesta Especial da Feira Cícero Guedes. A partir de R$80 os apoiadores ainda são recompensados com um boné do MST e ganham desconto em compras no Armazém do Campo RJ.

Em carta aberta, o MST-RJ afirmou que o circuito da Feira foi bem sucedido, sobretudo em fortalecer o espírito de luta Sem Terra concretizado em cada alimento. “Junto de cada Cesta, foi o melhor da nossa produção e também toda nossa rebeldia na esperança da transformação social, materializados em cada produto, cultivado com afeto por cada assentado e acampado da Reforma Agrária Popular do MST no estado”, diz o texto em agradecimento.

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-17  ::  Clivia Mesquita

Armazém do Campo RJ oferece Cesta de Natal com produtos da Reforma Agrária

terça-feira 15 dezembro 2020 - Filed under Armazém do Campo RJ

A loja de produtos da Reforma Agrária no Rio de Janeiro, Armazém do Campo, oferece duas opções de Cesta de Natal para este final de ano. Com valores de R$100 e R$200, os kits são uma opção para quem deseja presentear ou começar o ano consumindo alimentos mais saudáveis e sem veneno. 

Os produtos à venda são oriundos dos Assentamentos e Acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado do Rio e de cooperativas nacionais. Além disso, ao adquirir a Cesta de Natal, o consumidor fortalece a luta das famílias assentadas que produzem comida de qualidade o ano todo.

Os pedidos da Cesta de Natal estão abertos no WhatsApp do Armazém do Campo RJ pelo número (21) 99702-9303 e as entregas a domicílio serão realizadas nos dias 19, 23 e 30 de dezembro.

A loja Armazém do Campo RJ, localizada na Lapa, abre em horário diferenciado este mês. De segunda a quarta-feira, das 11h às 17h30 na Av. Mem de Sá, 135. Quem visitar a loja deverá usar máscara, manter o distanciamento social e higienizar as mãos.

Como pedir

As encomendas são através do WhatsApp (21) 99702-9303. As taxas de entrega da Cesta de Natal do Armazém do Campo RJ variam de R$10 a R$25, confira os bairros atendidos: 

R$10,00: Castelo, Cinelândia, Pres. Vargas, Lapa, Cruz Vermelha, Rua Riachuelo, Bairro de Fátima

R$13,00: Catete, Glória, Largo do Machado, Santa Teresa

R$15,00: Gamboa/Pedra do Sal, Estácio, Rio Comprido, Catumbi, Cidade Nova, Santo Cristo, Botafogo, Flamengo, Laranjeiras, Cosme Velho

R$20,00: Praça da Bandeira, Afonso Pena, Tijuca/Saens Peña, Maracanã, Leme, Copacabana.

R$25,00: Vila Isabel, Méier, Grajaú, São Cristóvão, Quinta da Boa Vista, Andaraí, Uruguai, Humaitá, Ipanema, Sacopã, Peixoto, Urca, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea.

1 comment  ::  Share or discuss  ::  2020-12-15  ::  Clivia Mesquita

Agroecologia aponta outro modelo para habitação no campo

terça-feira 15 dezembro 2020 - Filed under MST Sudeste + Notícias do MST Rio + Notícias do Rio

A partir da autogestão, região Sudeste do MST luta por construções de interesse social. Segundo arquitetos, projetos de moradia agroecológica como no assentamento PDS Osvaldo de Oliveira, em Macaé (RJ), representam contraponto ao modelo dominante de habitação

Aulas de bioconstrução na Unidade Pedagógica de Agroecologia do Acampamento Edson Nogueira, em Macaé (RJ). Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ

Recentemente, o Conselho de Arquitetura do Rio de Janeiro (CAU-RJ) lançou a lista dos 3 projetos selecionados na modalidade do ATHIS (Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social). O edital contempla o Assentamento PDS Osvaldo de Oliveira, Assentamento Agroecológico que se encontra sob ameaça de despejo com medida temporariamente suspendida pelo presidente do STJ.

O projeto que se chama “Canteiro Experimental da Habitação Agroecológica para Reforma Agrária Popular” será construído no PDS Osvaldo de Oliveira e prevê a auto-organização das famílias para construção de habitação a partir do estudo e práticas de materiais ecológicos, saneamento básico e energias renováveis. O projeto e construído pela ESESF em parceria a ESPOJV- FioCruz, Coletivo Terra, UFRJ-Macaé/LITS, Nucleo Tecsara-UFRJ, UFF-RO Serviço social e visa a experiência para avançar na concepção da habitação agroecológica em assentamentos da Reforma Agraria Popular.

Confira na reportagem “Agroecologia aponta outro modelo para habitação no campo”:

Por Clivia Mesquita e Julia Gimenez/ Redação MST Sudeste
Da Página do MST

Terra, madeira, bambu, palha, pedra. Esses são alguns materiais locais que serão utilizados para construção de moradias agroecológicas no Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Osvaldo de Oliveira no próximo ano. Em parceria com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-RJ) e universidades públicas, será desenvolvido um projeto de habitação de interesse social protagonizado por 63 famílias organizadas no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Macaé. 

Com base na agroecologia, a iniciativa aposta na autogestão para promover habitação de qualidade que leva em conta o modo de vida no campo e o conhecimento popular. O projeto consiste na produção de um canteiro, escola de habitação, saneamento ecológico e energia renovável, envolvendo um coletivo de agricultores, construtores populares, arquitetos, engenheiros, sociólogos, assistentes sociais e agrônomos.

Em tempos de emergência sanitária, o PDS Osvaldo de Oliveira conseguiu reverter uma ação de despejo no Supremo Tribunal de Justiça (STJ). As famílias Sem Terra são referência na produção agroecológica de alimentos no assentamento que existe há 10 anos no Norte Fluminense. Para a coordenadora da Comissão de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (CATHIS) do CAU-RJ, Maira Rocha, a assistência técnica em habitação agroecológica atrelada ao tema da alimentação é mais um instrumento que fortalece a permanência das famílias.

Técnicas como a do tijolo agroecológico de BTC (Bloco de Terra Compactada) serão usadas para construção de moradias no PDS Osvaldo de Oliveira, em Macaé (RJ), ano que vem. Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ

“A comunidade entende seus direitos, seus saberes, e transforma em luta, construção e processo. É muito admirável. No campo da arquitetura e do urbanismo, falamos muito pouco de moradia rural. O MST e o PDS Osvaldo de Oliveira nos dizem que precisamos de moradia em todas as regiões. A conexão com as questões relativas à moradia e como isso está para além da casa. É o território, a auto organização, a alimentação, todo um processo de articulação popular entendendo que habitação é muito mais que a casa”, afirma a arquiteta.

Está previsto na Constituição brasileira: moradia é um direito fundamental e deveria ser garantido por meio de políticas públicas. Até os anos do governo Lula e Dilma, com a criação do Plano Nacional de Habitação, de Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS) e o Sistema e Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS/FNHIS), abriram-se uma série de políticas orientadas à melhoria do quadro de precariedade habitacional do Brasil. 

Ao longo desses anos, diversos assentamentos do MST conseguiram acessar projetos habitacionais que permitiram a construção de moradias e espaços coletivos a partir da autogestão, com apoio das assessorias técnicas e a contribuição de universidades. Porém, após o golpe de 2016, os pequenos avanços de uma longa história de desigualdade habitacional sofreram um forte retrocesso que obriga a continuar a luta e organização em um clima adverso, tanto em contextos urbanos como rurais. 

Para o arquiteto Fernando Minto, do Coletivo Terra de Assessoria Técnica do MST no Rio de Janeiro, a pouca expressividade dos programas de habitação no campo se devem à falta de assessoria técnica e próprio desconhecimento da população sobre a existência do programa, “além de ofertar um tipo de moradia padronizada que desconsidera as diversidades culturais e outras possibilidades de modos de vida.”

Em 2019, o acampamento Edson Nogueira, em Macaé, também foi contemplado com o edital de Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social da CAU-RJ. Aulas práticas e teóricas de bioconstrução foram inseridas na grade curricular da Unidade Pedagógica de Agroecologia. 

Oficinas de bioconstrução no Acampamento Marielle Vive, em Valinhos (SP). Foto: Coletivo de Comunicação Marielle Vive

No PDS Osvaldo de Oliveira, o projeto começa ano que vem em conjunto com a Universidade Federal Fluminense (UFF) Rio das Ostras, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Macaé, Núcleo de Solidariedade Técnica (Soltec/UFRJ) e Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV) da Fiocruz. O direito à assessoria técnica pública e gratuita para construção de habitação de interesse social está prevista pela Lei Federal 11.888 de 2008. Além do MST, mais dois projetos ligados a movimentos sociais no campo e na cidade foram contemplados na seleção pública do CAU-RJ este ano. 

Agroecologia é o caminho

Segundo Chico Barros, militante do MST da Grande São Paulo, assim como a agroecologia é mais do que cultivar a terra, a questão habitacional também precisa questionar o modelo de construção civil dominante. Chico é arquiteto e doutor pela Universidade de São Paulo. Hoje, o professor universitário contribui em formações junto às assessorias técnicas que trabalham há mais de duas décadas com movimentos sociais de ocupação urbana e rural. 

Na luta pelo direito a teto, terra e trabalho, Chico ressalta a tarefa de fortalecer modelos de construção alternativos aos impostos pelo grande capital. Segundo o arquiteto e militante Sem Terra, além de lutar pela existência de políticas públicas de habitação, é urgente repensar, a partir da agroecologia, outros modos de construção civil.

Aulas de bioconstrução na Unidade Pedagógica de Agroecologia do Acampamento Edson Nogueira, em Macaé (RJ). Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ

“A agroecologia deve se realizar em sua totalidade. Construção agroecológica é beber de tudo o que se tem escrito e produzido no campo da produção agroecológica para pensar os modelos de produção de espaços, de não aceitar a ‘construbusiness’, ou o ‘construnegócio’ na construção civil”, critica.

“Segundo argumenta no texto intitulado Por uma construção também agroecológica (2016), assim como o agronegócio produz commodities (mercadorias genéricas que podem ser negociadas nas negociatas das bolsas de valores do mundo todo como o milho, trigo, arroz, feijão), o ‘construnegócio’ também produz suas commodities (o ferro, o alumínio, o PVC, o cobre, o cimento, a cal, a areia, a brita, o eucalipto, o pinus, o vidro, as tintas sintéticas) em escala global e regional, gerando circuitos comerciais que só acrescentam aos cofres das grandes empresas transnacionais, aprofundam o extrativismo intensivo provocando nocivas consequências para o meio ambiente e impõe relações de trabalho que reproduz a desigualdade social”, completa.

Neste sentido, a construção agroeológica propõe refletir sobre os modos de construção dos espaços sociais, apontando formas de priorizar a autogestão, mutirão e cooperação das comunidades, valorizando os materiais locais, e garantindo o cuidado no manejo com os recursos naturais. Além de recuperar os conhecimentos ancestrais adaptados à tecnologia desenvolvida para cada ecossistema, como assinala Barros.

Recentemente, a Assessoria Técnica Peabiru, junto ao MST, ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo e ao Grupo Pitá organizaram o Curso ATHIS Rural onde se buscou colocar em debate alguns dos principais elementos que compõem o problema da habitação popular nas áreas rurais, a partir de uma perspectiva ampliada do habitat camponês e da Reforma Agrária no Brasil. 

Foram nove encontros virtuais que podem ser conferidos na página de youtube da Peabiru TCA. A Escola Rosa Luxemburgo, em Iaras/SP, será cenário de um mutirão de construção do viveiro estadual Ana Primavesi, como continuidade prática do curso de formação. Da mesma forma, está em marcha a campanha para arrecadar fundos para a construção da Creche da Comuna da Terra Irmã Alberta na Grande São Paulo, o projeto de ampliação de um dos viveiros em Ribeirão Preto e continuam as oficinas de bioconstrução no Acampamento Marielle Vive, entre outros.

*Editado por Fernanda Alcântara

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-15  ::  Clivia Mesquita

Faça parte da 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes!

segunda-feira 14 dezembro 2020 - Filed under Feira estadual Cícero Guedes

A 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes é realizada de forma independente pelo MST no Rio de Janeiro. Por causa da pandemia, a Feira assumiu um novo formato itinerante em todas as regiões do estado com entrega de Cestas da Reforma Agrária e ações de solidariedade.

Ajude o MST-RJ a financiar a Feira que é patrimônio da cidade do Rio de Janeiro. Colabore no Catarse a partir de R$10!

1) Doe R$ 80,00 e ganhe um boné oficial do MST

2) Doe R$160,00 e ganhe um boné oficial do MST + desconto de 10% em compras no Armazém do Campo RJ

3) Toda contribuição a partir de R$10 participa do sorteio de uma Cesta Especial da Feira Cícero Guedes

Escola Estadual de Formação e Capacitação à Reforma Agrária (ESESF)
Banco do Brasil: Agência 3086-4 / Conta 27970-6
(CNPJ 08.087.241/0001-21)

Siga nas redes sociais:
Facebook/MST.Rio.RJ
Instagram @terra_crioula
Twitter/rj_mst

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-14  ::  Clivia Mesquita

Nota do MST-RJ sobre suspensão do despejo no Assentamento PDS Osvaldo de Oliveira

quarta-feira 2 dezembro 2020 - Filed under Notícias do MST Rio

A justiça foi feita! Reintegração de posse contra as famílias do PDS Osvaldo de Oliveira é suspensa, luta das famílias continua

(Foto: Coletivo de Comunicação do MST – RJ)

PDS OSVALDO DE OLIVEIRA SOMOS TODOS NÓS!

É com muita alegria e sentimento de justiça,  que recebemos a notícia da suspensão da reintegração de posse determinada contra as famílias do PDS Osvaldo de Oliveira, um projeto diferenciado de desenvolvimento sustentável, sendo o primeiro a ser efetivado no Rio de Janeiro.

Nós, famílias de trabalhadores rurais sem terra, assentadas no PDS Osvaldo de Oliveira, queremos agradecer, mais uma vez, todo apoio recebido em defesa do nosso assentamento, todos os parceiros  das universidades, dos movimentos sociais e sindicais, dos partidos políticos e parlamentares, juristas, redes ecológicas, organizações de defesa dos direitos humanos nacionais e internacionais, os integrantes do Conselho Gestor de nosso PDS e tantos outros que nos fez ter a certeza de que o PDS OSVALDO DE OLIVEIRA SOMOS TODOS NÓS!

O PDS Osvaldo de Oliveira é um projeto coletivo de desenvolvimento de assentamento que produz vida! Garante a biodiversidade, protegendo o patrimônio ambiental, e adota a matriz agroecológica  na produção de alimentos.  Essa é a importância de mantermos o assentamento PDS Osvaldo de Oliveira, porque somos todos nós, assentados, assentadas é apoiadores que estamos recuperando esse patrimônio ambiental.

Por isso, a decisão do Presidente do STJ,  Ministro Humberto Martins, tem tanto significado. Ela recupera a trajetória processual desde a 1ª instância em Macaé. Uma trajetória que foi ignorada pelo voto do Desembargador Relator, Dr. Marcelo Pereira, que optou por ouvir somente 1 das partes: o proprietário!

A decisão do Presidente do STJ, Ministro Humberto Martins, devolve o sentimento de justiça para as famílias do PDS Osvaldo de Oliveira e temos a certeza diante da incrível solidariedade que a nossa luta despertou que esse sentimento de justiça social é compartilhado por todos que apoiaram nossa luta!

Sabemos que ainda virão outras lutas e precisamos de todas, todos e todes juntos para avançar e ratificar a permanência do PDS Osvaldo de Oliveira! 
Só a luta muda a vida e com solidariedade entre nós, trabalhadores e trabalhadoras, a vida será emancipada!

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-02  ::  Clivia Mesquita

Você conhece a Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes?

terça-feira 1 dezembro 2020 - Filed under Feira estadual Cícero Guedes + Notícias do MST Rio

Por causa da pandemia, a 12ª edição da Feira assume um novo formato itinerante por meio da comercialização de Cestas da Reforma Agrária. O circuito da Feira Estadual começa na capital carioca nos dias 4 e 5 de dezembro, e nas regionais Norte Fluminense, Sul, Lagos e Baixada nos dias 10 a 12/12.

Colabore com o financiamento coletivo da Feira a partir de R$10. Toda contribuição participa do sorteio de uma Cesta Especial da Feira Cícero Guedes e apoia uma ação de solidariedade!

Escola Estadual de Formação e Capacitação à Reforma Agrária (ESESF)
Banco do Brasil: Agência 3086-4 / Conta 27970-6
(CNPJ 08.087.241/0001-21)

Siga nas redes sociais:
Facebook/MST.Rio.RJ
Instagram @terra_crioula
Twitter/rj_mst

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-01  ::  Clivia Mesquita

Sob ameaça de despejo, PDS Osvaldo de Oliveira (RJ) participa da Feira Estadual da Reforma Agrária

terça-feira 1 dezembro 2020 - Filed under Agenda + Feira estadual Cícero Guedes + Notícias do MST Rio

Assentamento agroecológico produz comida sem veneno há 10 anos. Circuito da 12ª Feira Cícero Guedes começa nesta sexta-feira (4) na capital carioca, confira a programação!

Feijão agroecológico Karucango é um dos itens na Cesta da Reforma Agrária Cícero Guedes. Produção é realizada coletivamente no PDS Osvaldo de Oliveira. (Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ)

Por Clívia Mesquita e Alexandre Gomes / Coletivo de Comunicação MST-RJ
Da Página do MST

A Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes é um importante momento de encontro da classe trabalhadora do campo e da cidade no Rio de Janeiro. Em função da pandemia de Covid-19, a proposta desta 12ª edição é potencializar a comercialização dos produtos dos assentamentos e acampamentos do MST, através das Cestas da Reforma Agrária. 

Na região de Macaé, a Feira conta com a produção agroecológica do Assentamento Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Osvaldo de Oliveira, que se encontra ameaçado de despejo. São três opções de Cesta nos valores de R$ 40, R$ 65 e R$ 120, que serão entregues no dia 11 de dezembro no Sindipetro NF, cumprindo todas as normas de segurança contra a disseminação do coronavírus.

O assentamento Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Osvaldo de Oliveira é referência na produção agroecológica de alimentos no Rio de Janeiro. (Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ)

Todos os kits incluem o feijão agroecológico Karucango e a farinha Resistência Camponesa, produzidos coletivamente por mais de 60 famílias no PDS. A Cesta da Reforma Agrária em Macaé também conta com a produção do acampamento Edson Nogueira, da região Norte Fluminense, Baixada e Sul Fluminense. A expectativa é comercializar mais de 500 kg do feijão agroecológico Karucango nas Cestas da Reforma Agrária da capital, em Campos dos Goytacazes e Macaé.

“A Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes é uma oportunidade anual de expor nossa produção, provando para a sociedade e para os desembargadores que querem acabar com o PDS que produzimos uma abundância de alimentos agroecológicos, saudáveis, e com muita variedade. Para nós, é um símbolo de resistência a produção de alimentos saudáveis e a Feira Cícero Guedes”, afirma Silvano Leite, coordenador regional do MST no RJ e assentado no PDS Osvaldo de Oliveira.

PDS Resiste

Dona Jorgina na Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes. (Foto: Coletivo de Comunicação MST-RJ)

“Quero falar para vocês que se o campo e a cidade se unir, a burguesia não vai resistir”, é assim que dona Jorgina Leopoldina, assentada no PDS Osvaldo de Oliveira, descreve a resistência das 63 famílias ameaçadas de despejo em Macaé. Em paralelo à 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes, segue a mobilização de toda sociedade em defesa do primeiro assentamento de matriz agroecológica do Rio de Janeiro. 

Há mais de dez anos, 63 famílias são responsáveis pela produção de toneladas de alimentos saudáveis e sem veneno, preservando ao mesmo tempo a natureza e a vida. “Aqui a gente trabalha coletivamente a agroecologia. No meu barraco mora eu, meus 3 filhos e 2 netos. Sobrevivemos de tudo que a gente produz. Banana, aipim, inhame, hortaliças, cana, taioba e muitas outras produções”, comenta dona Gininha, como é carinhosamente conhecida, acrescentando que nem a pandemia e a ordem de despejo desanimam a luta.

O circuito da 12ª Feira Estadual começa nesta sexta-feira (4), com entrega das encomendas no Armazém do Campo RJ, localizado na Lapa. No final da reportagem estão os links para adquirir a Cesta da Reforma Agrária em todas as regionais do MST no estado do Rio.

Solidariedade

A 12ª edição da Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes aborda a agroecologia e a solidariedade nas periferias da cidade, em tempos de pandemia sob o lema “Reforma Agrária Popular para o Brasil não passar fome”. O MST do RJ lançou uma campanha online de arrecadação para cobrir os custos operacionais das cestas e viabilizar uma ação solidária, em parceria com a Campanha Nós Por Nós e a Periferia Viva.

Serão doadas mais de 300 Cestas de Solidariedade Agroecológica em dezembro com alimentos do MST. Qualquer pessoa pode contribuir com a campanha a partir de R$ 10,00 e participar do sorteio de uma Cesta Especial da Feira Cícero Guedes. Dessa forma, cada parceiro e amigo do MST também pode adquirir as Cestas da Reforma Agrária, para consumo próprio ou para as ação de solidariedade.

Feira é patrimônio

A importância do evento para a cidade do Rio de Janeiro é reconhecida por meio de duas leis de autoria do vereador Renato Cinco (PSOL). A Lei 5999/15, que reconhece como de interesse cultural e social para o município do Rio de Janeiro a Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes, e a Lei 6218/17, que insere a evento no calendário oficial da cidade no mês de dezembro. 

“Nosso desejo é ocupar cada vez mais o Largo da Carioca com nossa produção, mística e cultura. Infelizmente, o desgoverno não tomou as medidas que pudessem frear o contágio do coronavírus e ficamos impossibilitados de montar nossas bancas na praça. Nosso desejo é voltar ano que vem para o Largo da Carioca. Vacinados e protegidos”, projeta Ruth Rodrigues, coordenadora do Setor de Produção do MST-RJ.

Cícero Guedes

A Feira Estadual da Reforma Agrária carrega o nome e o legado do militante do MST Cícero Guedes, tombado na luta pela terra em 2013. O lutador popular foi assassinado por pistoleiros nos arredores da Usina Cambaíba, onde coordenava o Acampamento Luiz Maranhão, em Campos dos Goytacazes (RJ). 

De acordo com as investigações, Cícero foi vítima de uma emboscada. O principal suspeito de ser o mandante do crime foi inocentado no ano passado. O julgamento do caso foi marcado pela impunidade que perpetua a violência no campo. Grande entusiasta da agroecologia e das feiras regionais, Cícero Guedes é homenageado no principal evento do ano para o MST no Rio de Janeiro.

Programação

Sexta-feira (4)

Sábado (5)

Quinta-feira (10)

  • 19h: Diálogos da Terra, ao vivo no Facebook
  • Campos dos Goytacazes: Pedidos até 7/10 – WhatsApp (22) 99736-4558

Sexta-feira (11)

Sábado (12)

  • Barra Mansa, Quatis, Resende e Volta Redonda: Pedidos até 9/12 – WhatsApp (24) 99940-7963

Acompanhe a 12ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes nas redes sociais: Facebook | Instagram | Twitter

 ::  Share or discuss  ::  2020-12-01  ::  Clivia Mesquita